sábado, 19 de agosto de 2017

Joe Dassin - L'été Indien (with lyrics)



Sabes, eu nunca fui tão feliz como naquela manhã
Andávamos por uma praia parecida com esta
Era Outono, um Outono de sol
uma estação que só existe lá na América do Norte.
As pessoas lhe chamam de verão indiano (Canadá)
mas simplesmente era o nosso
Com teu vestido longo, parecias
uma aguarela de Marie Laurencin
e lembro-me, lembro-me perfeitamente
do que eu te disse naquela manhã
há um ano, há um século, há uma eternidade.


Iremos onde tu quiseres, quando quiseres
e nos amaremos outra vez, mesmo que o amor tenha morrido.
A vida toda será como aquela manhã
com as cores do verão indiano

Hoje estou bem longe daquela manhã de Outono
mas é como se eu estivesse lá
Continuas na minha memória
Onde estás tu? O que andas a fazer?
Será que ainda existo para ti?
Fico olhando para esta onda que jamais alcançará a duna
Repara, como ela, estou me deitando na areia
e vou me lembrando. Vou me lembrando das marés altas
do sol e da felicidade que iam passando pelo mar
há um ano, há um século, há uma eternidade




Iremos onde tu quiseres, quando quiseres
e nos amaremos outra vez, mesmo que o amor tenha morrido.
A vida toda será como aquela manhã
com as cores do verão indiano.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Harry Belafonte & Miriam Makeba - Malaika

"Malaika, nakupenda Malaika
Malaika, nakupenda Malaika
Ningekuoa mali we, ningekuoa dada
Nashindwa na mali sina we, ningekuoa
Malaika

Pesa, zasumbua roho yangu
Pesa, zasumbua roho yangu
Nami nifanyeje, kijana mwenzio
Nashindwa na mali sina we
Ningekuoa Malaika

Kidege, hukuwaza kidege
Kidege, hukuwaza kidege
Ningekuoa mali we, ningekuoa dada
Nashindwa na mali sina, we
Ningekuoa Malaika
Malaika, nakupenda Malaika
Malaika, nakupenda Malaika
Ningekuoa mali we, ngekuoa dada
Nashindwa na mali sina we, Ningekuoa Malaika"

quinta-feira, 17 de agosto de 2017



Amor que fica,
amizade que sobrevive,
companhia que vai,
memória que vem,
coração que permanece habitado
é saudade.


É saudade
a lembrança que desce
e se agiganta no peito.

Sérgio Lizardo

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Que bela homenagem !




Carlos Tenreiro
17 h · São Paulo, Brasil ·


Plantava nos campos o que plantava nos ares: o suor, os sonhos, a poesia das folhas, a lenda das flores, o romance dos juncos. Tecia no sol o sumo: o traço, o Lácio, o fruto, a sombra das rendas, a fibra das noites, as cores dos lúmens. Flutuava por dentro da terra com suas mãos, artesão que era dos grãos, dos sins, dos tempos de plantio e cura, porque, lavrador, fazia seu arado onde as horas exigiam a semente de cada dia e os concretos a sina de cada pão.
Camponês do norte da Ibéria, Dom Quixote das almas, lutando contra a secura e seus moinhos, Alberto se abria para o meio-dia dos figos contra o frio dos seres humanos. Cantarolava suas cantigas guardadas sobre as asas, sobrevoando veredas dos tempos antigos. E florescia: em suas pétalas destituía as intrigas de cada segundo sobre a mesa farta que a todos provia. Nenhuma migalha de alma sobre os pratos, nenhum azedume sobre os dissabores da vida. Tudo era limpo e bom, verdade e perdão, mesmo nos vãos dos seres, mesmo diante dos nãos que feriram seu coração.
Alberto e seus linhos: sobre suas cicatrizes, as dores se convertiam em lírios; sobre suas dores, seus olhos formavam rios e tudo era afago e dom. Camponês, artesão, senhorio das brisas quando, sustentando a enxada, abria a terra para plantar sua alma dia após dia, arejando o sol entre os olhos e os olhos entre os grãos.
Nos restaurantes, nos ônibus, nas padarias, nos bares, nas lojas onde fez seu ganha-pão, colheu histórias e amigos; na terra, nos cimentos, nos balcões, fez-se campônio, e tudo era campo, fado, suor, plantio e som. Assim era Alberto, meu pai, ourives dos campos, olaria das luzes, semente que continua frutificando um amor que nunca teve nãos.
Eu sou apenas o que restou do meu passado .
As minhas memórias e . . . o presente ,
Apenas isso .
. . . e . . . o amanhã ?! Desconheço .

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Rachel Yamagata - I´ll Find A Way

oração . a banda mais bonita da cidade (c/ leo fressato)

Meu amor, essa é a última oração
Pra salvar seu coração
Coração não é tão simples quanto pensa
Nele cabe o que não cabe na despensa

Cabe o meu amor
Cabem três vidas inteiras
Cabe uma penteadeira
Cabe nós dois

Cabe até o meu amor, essa é a última oração
Pra salvar seu coração
Coração não é tão simples quanto pensa
Nele cabe o que não cabe na despensa

Cabe o meu amor
Cabem três vidas inteiras
Cabe uma penteadeira
Cabe nós dois

Cabe até o meu amor, essa é a última oração
Pra salvar seu coração
Coração não é tão simples quanto pensa
Nele cabe o que não cabe na despensa

Cabe o meu amor
Cabem três vidas inteiras
Cabe uma penteadeira
Cabe nós dois

Cabe até o meu amor, essa é a última oração
Pra salvar seu coração
Coração não é tão simples quanto pensa
Nele cabe o que não cabe na despensa

Cabe o meu amor
Cabem três vidas inteiras
Cabe uma penteadeira
Cabe nós dois

Cabe até o meu amor, essa é a última oração
Pra salvar seu coração
Coração não é tão simples quanto pensa
Nele cabe o que não cabe na despensa

Cabe o meu amor
Cabe essa oração


domingo, 6 de agosto de 2017

Todos os médicos que tem feito frente à grande indústria farmacêutica, aos poucos vão sendo dizimados. Ann Boroch Médica Holística, Naturopata e Pesquisadora apareceu morta na passada quinta-feira. Esta Senhora ficou famosa por se ter curado a ela própria de uma esclerose múltipla quando tinha apenas 24 anos e durante vinte anos (até agora à sua morte) nunca mais tinham surgido sintomas da doença. O papel desta Senhora foi também muito importante ao revelar os perigos das vacinas.
"Com os seus vinte anos, ela iniciou a luta contra a esclerose múltipla. Quando a medicina tradicional não forneceu alívio, ela criou o seu próprio programa de auto-ajuda e descobriu que as toxinas de fungos e fermentos são os principais culpados da doença auto-imune. Ao manter diligentemente uma dieta restrita, Ann conseguiu curar-se da doença. Agradecida pelo triunfo da cura, ela percebeu que a sua missão era educar o público.

"Ann voltou para a escola e tornou-se uma naturopata, hipnoterapeuta clínica certificada e consultora nutricional certificada. Depois disso, Ann abriu o seu próprio consultório em Los Angeles, e por quase 20 anos tem sido a luz orientadora da cura para milhares de pessoas ao redor do mundo ".
Chegou a vez dela. Calaram-na.
A comunidade médica que nos últimos anos tem divulgado os perigos da vacinação está em estado de choque.


Famous author Ann Boroch was found dead in L.A. on Thursday, as the community of holistic healers continues to be decimated.
YOURNEWSWIRE.COM|POR BAXTER DMITRY

. . . faz hoje 72 anos . . .


A 6 de Agosto de 1945, era lançada a primeira bomba atómica em cenário de Guerra, pelo bombardeiro norte-americano Enola Gay. A bomba tinha o nome de código "Little Boy", três metros de comprimento, 71 cm de largura e uma potência equivalente a 13 quilotoneladas de TNT.

Estima-se que a bomba, que detonou a cerca de 600 metros de altura muito próximo do local onde foi erguido o Parque da Paz, acabou de forma imediata com a vida de cerca de 80.000 pessoas.

No final de 1945 o número de mortos era elevado a cerca de 140.000, sem contar as vítimas da radiação nos anos posteriores.

Depois do ataque sobre Hiroshima, os Estados Unidos lançaram uma segunda bomba nuclear a 9 de agosto de 1945 sobre a cidade de Nagasaki, o que forçou a capitulação do Japão seis dias depois e pôs fim à II Guerra Mundial.



  • terça-feira, 1 de agosto de 2017


    Berlin - Take My Breath Away

    - Je t'aime je t'aime
    Oh oui je t'aime
    - Moi non plus
    - Oh mon amour
    - Comme la vague irrésolue
    Je vais, je vais et je viens
    Entre tes reins
    Je vais et je viens
    Entre tes reins
    Et je me retiens

    - Je t'aime je t'aime
    Oh oui je t'aime
    - Moi non plus
    - Oh mon amour
    Tu es la vague, moi l'île nue
    Tu vas, tu vas et tu viens
    Entre mes reins
    Tu vas et tu viens
    Entre mes reins
    Et je te rejoins

    - Je t'aime je t'aime
    Oh oui je t'aime
    - Moi non plus
    - Oh mon amour
    - L'amour physique est sans issue
    Je vais je vais et je viens
    Entre tes reins
    Je vais et je viens
    Je me retiens
    - Non ! maintenant viens...
    https://vimeo.com/53067865

    Jane Birkin & Serge Gainsbourg, Je T'aime moi non plus 1969 from Obsessive Collectors on Vimeo.

    sábado, 29 de julho de 2017

    "Women are lucky, they get to have the only organ in the human body dedicated exclusively for pleasure: the clitoris! In this humorous and instructive animated short film, find out its unrecognized anatomy and its unknown herstory."

    sábado, 22 de julho de 2017

    Lassa



    Tesão — força que move a vida.
    Na plenitude, é felicidade pura.
    Na carência, é dor que dói.

    Ó gozo de ver, admirar, acariciando.
    Ò gozo de abraçar, beijar, bolinando
    Ó supremo gozo de meter, possuir, penetrando,
    na divina convulsão rítmica do coito.

    Ficar lá dentro abismado, apertado.
    Sentindo o grelo tremer de gozo.
    O sacro canal melar, enlanguescer.
    Vendo você se aquietar, lassa.
    Tudo, afinal, uma tremura arrepiada.
    .
    - Darcy Ribeiro, no livro “Eros e tanatos”. [ilustrações Mello Menezes; posfácio Moacry Félix]. Rio de Janeiro: Editora Record, 1998.


    Darcy Ribeiro - poemas | Prosa, Verso e Arte
    Darcy Ribeiro - poemas; livro “Eros e tanatos”.
    POEMARIO-PROSAEVERSO.BLOGSPOT.COM

    Vientos del Pueblo - Cantando espero a la muerte



    Vientos del pueblo me llevan
    vientos del pueblo me arrastran
    me esparcen el corazón
    y me aventan la garganta

    Los bueyes doblan la frente
    impotentemente mansa
    delante de los castigos
    Los leones la levantan
    y al mismo tiempo castigan
    con su clamorosa zarpa

    No soy de un pueblo de bueyes
    que soy de un pueblo que embargan
    yacimientos de leones
    desfiladeros de águilas
    y cordilleras de toros
    con el orgullo en el asta

    Nunca medraron los bueyes
    en los páramos de España
    ¿Quién habló de echar un yugo
    sobre el cuello de esta raza?
    ¿Quién ha puesto al huracán
    jamás ni yugos ni trabas
    ni quién al rayo detuvo
    prisionero en una jaula?

    Asturianos de braveza
    vascos de piedra blindada
    valencianos de alegría
    y castellanos de alma
    labrados como la tierra
    y airosos como las alas

    Andaluces de relámpagos
    nacidos entre guitarras
    y forjados en los yunques
    torrenciales de las lágrimas

    Extremeños de centeno
    gallegos de lluvia y calma
    catalanes de firmeza
    aragoneses de casta

    Murcianos de dinamita
    frutalmente propagada
    leoneses navarros dueños
    del hambre el sudor y el hacha

    Reyes de la minería
    señores de la labranza
    hombres que entre las raíces
    como raíces gallardas
    vais de la vida a la muerte
    vais de la nada a la nada

    Yugos os quieren poner
    gentes de la hierba mala
    yugos que habéis de dejar
    rotos sobre sus espaldas
    crepúsculo de los bueyes
    está despuntando el alba

    Los bueyes mueren vestidos
    de humildad y olor de cuadra
    las águilas los leones
    y los toros de arrogancia
    y detrás de ellos el cielo
    ni se enturbia ni se acaba

    La agonía de los bueyes
    tiene pequeña la cara
    la del animal varón
    toda la creación agranda

    Si me muero que me muera
    con la cabeza muy alta
    Muerto y veinte veces muerto
    la boca contra la grama
    tendré apretados los dientes
    y decidida la barba

    Cantando espero a la muerte
    que hay ruiseñores que cantan
    encima de los fusiles
    y en medio de las batallas




    Albaluna & Helena Madeira | Hija Mia

    Patrulha Canina



    Micas, Hulk e Max em acção de vigilância contra incêndios num eucaliptal.

    Salvador Sobral - Nem Eu



    “…
    O amor acontece na vida
    Estavas desprevenida e por acaso eu também
    E como o acaso é importante, querida
    De nossas vidas a vida fez um acaso também
    …”

    Ataques de Pânico


    “O Pânico é Ansiedade máxima em situações inexplicáveis.”

    Um estado de Pânico é um fenómeno físico resultante do processo de Ansiedade. Falamos em Pânico quando se sente um nível extremo de Ansiedade.

    A Ansiedade é um fenómeno físico de reacção à emoção Medo, provocado pela libertação de várias hormonas no sangue pelas glândulas supra-renais, nomeadamente adrenalina.

    Em momentos de Ansiedade, é libertada adrenalina em quantidades abundantes, preparando o organismo para grandes esforços físicos, através de estímulos ao coração, elevação da tensão arterial e do relaxamento de certos músculos e da contracção de outros.





    CAUSAS DOS ATAQUES DE PÂNICO

    Por vezes, como efeito secundário de medicação, drogas ou de debilidades físicas diversas, existe uma libertação de adrenalina em excesso, o que causa um colapso físico que se manifesta através de um estado semelhante a um Ataque de Pânico… Não sendo um ataque de Pânico, é tão traumático como os Ataques de Pânico. As pessoas podem sentir o primeiro episódio de Pânico em qualquer circunstância, como, por exemplo, a dormir, a conduzir, num centro comercial, em casa, entre outras situações.

    Assim, quem sofre o primeiro evento traumático, associa inconscientemente os sintomas às circunstâncias onde estava, começando a fugir dessas circunstâncias para evitar sentir os sintomas. Como exemplo, se as pessoas têm um Ataque de Pânico a conduzir, desenvolvem um medo enorme de conduzir; se o primeiro Ataque de Pânico for num centro comercial, vão evitar espaços semelhantes no futuro; se tiverem um Ataque de Pânico e sentirem dificuldade em respirar, vão, no futuro, evitar espaços onde se sintam fechados sem arejamento, entre outras variadas situações normais que as pessoas com esta perturbação se sentem verdadeiramente impedidas de viver.

    Quem sofre desta perturbação, sente uma Ansiedade máxima em situações inexplicáveis, não conseguindo reconhecer os medos que lhes são inerentes.

    A maior parte das vezes, as pessoas que sofrem desta perturbação não são corretamente diagnosticadas devido à dificuldade que, muitas vezes, existe em detetar este distúrbio, o que leva frequentemente a pensar que são apenas episódios de Ansiedade simples ou meras fobias.


    SINTOMAS MAIS FREQUENTES DOS ATAQUES DE PÂNICO



    Dificuldade respiratória ou sensação de estar a sufocar
    Vertigens, instabilidade ou desmaio
    Palpitações ou ritmo cardíaco acelerado
    Tremuras ligeiras ou acentuadas
    Sudação
    Falta de ar
    Náuseas, dor de estômago ou diarreia
    Sensação de irrealidade, estranheza ou separação do meio envolvente
    Sensações de adormecimento ou de formigueiros
    Ruborização ou calafrios
    Dor ou incomodidade no peito
    Medo de morrer
    Medo de «tornar-se louco» ou de perder o controlo

    Este distúrbio mental erróneo provoca uma Ansiedade elevadíssima todas as vezes que se está perante estas experiências consideradas agressoras. As pessoas perturbadas com este síndrome são levadas a pensar que têm fobias diversas quando, na verdade, o que sentem é um medo extremo de estar expostas a experiências potencialmente agressoras.

    Na verdade, as pessoas com o Distúrbio Cíclico da Ansiedade, têm medo de sentir medo.


    COMO SE PODE TRATAR OS ATAQUES DE PÂNICO?

    Os Ataques de Pânico tratam-se na sua origem, ajudando as pessoas que sofrem a afastarem-se das emoções de medo traumático resultante do primeiro evento de pânico.

    Coldplay gravity

    quinta-feira, 20 de julho de 2017

    India Arie - Ready For Love


    "I am ready for love
    Why are you hiding from me
    I'd quickly give my freedom
    To be held in your capitivity
    I am ready for love
    All of the joy and the pain
    And all the time that it takes
    Just to stay in your good grace
    Lately I've been thinking maybe
    You're not ready for me
    Maybe you think I need to learn maturity
    They say watch what you ask for 'cuz you might receive
    But if you ask me tomorrow, I'll say the same thing
    I am ready for love
    Would you please lend me your ear
    I promise I won't complain
    I just need you to acknowledge I am here
    If you give me half a chance
    I'll prove this to you
    I will be patient, kind, faithful and true
    To a man who loves music
    A man who loves art
    Respect the spirit world and thinks with his heart
    I am ready for love
    If you'll take me in your hands
    I will learn what you teach
    And do the best that I can
    I am ready for love
    Here with an offering of my voice
    My voice, my eyes, my soul, my mind
    Tell me what is enough
    To prove I am ready for love"

    quarta-feira, 19 de julho de 2017

    CIENTISTA DO MIT AVISA: NINGUÉM DEVIA SER VACINADO!

    "Não sei se esta cientista ainda está viva, mas a estar (que eu desejo com imensa força) vai passar "as passas do Algarve". Quem se mete com a industria farmacêutica mete-se com uma das organizações mais perigosas do planeta. A senhora enfrentou-os de 'caras' tem o destino traçado.
    Um destes dias surgirá a noticia de que se "suicidou" ou teve um "acidente" de carro, o costume.
    Nunca o planeta teve tanto bandido à solta."

    sábado, 15 de julho de 2017

    Escrito por quem mudou de opinião


    «O último sonho do toiro antes de morrer . . .

    "Há qualquer coisa de profundamente degradante nas touradas. Não é só o sofrimento do animal, é o espanto com que ele observa os animais da bancada. A incredulidade de estar perante a maldade do mundo. O toiro leva nos olhos uma tristeza de estar assistindo à vileza do humano. Porte imponente, músculos fortes, cornos pontiagudos, nobreza de carácter, mas os olhos. É nos olhos do toiro que nós vemos a sua ingenuidade. Uma criança perdida no meio da multidão (...) Baixa a cabeça, com as patas tenta furar o chão como se pudesse abrir um alçapão que o fizesse cair da arena para um prado onde corresse e lambuzasse as bochechas de outro toiro. Um campo aberto a céu aberto. Sem cornetas, sem pessoas, sem gritos, sem bandarilhas coloridas, sem bigodes quase aristocráticos, sem ferros frios no lombo, sem rios de sangue pelo corpo, sem maldade. O último sonho do toiro antes de morrer..."»



    A minha família nāo desgostava de touradas. Não que se babassem por ir ver o Tito Capristano à Moita ou o Nelo Cagarras a Santarém, mas lá em casa, se passava uma Corrida, a malta ficava a ver. Nas férias andaluzes, chegados ao apartamento com sal mediterrânico, o meu Pai punha na TVE e até ao jantar sorvíamos a cantilena espanhola dos comentadores especialistas e 8 ou 10 toiros de morte.

    Não éramos aficionados mas gostávamos de ver. Do espectáculo. Da arte do matador. Da faena. Da orquestra. Do tribalismo. Só não podíamos ver os cavaleiros. Gajos de jaqueta brilhante montados num cavalo a espetar farpas que se transformavam em bandeirinhas que acenavam ao público. Degradante. O cavaleiro é o cobarde da tourada, é o puto que insulta e depois foge. Tínhamos, eu e o meu Pai, um sonho: unir a Ibéria numa só tourada: matadores espanhóis, forcados portugueses. Os cavaleiros passariam a alisar a areia, a limpar os estábulos e a dar água aos toiros.



    Olho a televisão com o canal público a dar tourada. Aquelas mesmas caras de sempre de olhar bovino. Caras de gente laranja, de bigodes falsamente aristocráticos, as famílias da "tradição", os betos e os que querem passar por betos, as calças caqui, os penteados, as patilhas, uma portugalidade meio bizarra que parece advir de promíscuas relações entre primos e irmãos. Esta gente que ali está atrás das tábuas funde-se com as vacas em noites de Inverno: por isso aquele bovino olhar, a mansidão das carecas reluzentes, a lhaneza.

    Pai, eu já não posso continuar a ver isto. Não é fácil questionarmos as coisas que enquanto crescemos eram naturais. Mais difícil quando as víamos junto aos que amamos. O meu Pai gostava de ver e eu via e também gostava porque gostava dele. Vamos continuar a ir aos nossos sítios a que íamos sempre juntos. Vamos a Moledo, a Ceuta, a Sevilha, a Mijas, ao Forte de Peniche, às Caldas do Luiz Pacheco, a Vilarelho ouvir o Maestro Coca-Cola Killer ensinar Bach às gentes do campo, vamos continuar a ir ao Estádio da Luz e a abraçarmo-nos dentro dos golos do Benfica, mas, Pai, a TVE para mim acabou.



    Há qualquer coisa de profundamente degradante nas touradas. Não é só o sofrimento do animal, é o espanto com que ele observa os animais da bancada. A incredulidade de estar perante a maldade do mundo. O toiro leva nos olhos uma tristeza de estar assistindo à vileza do humano. Porte imponente, músculos fortes, cornos pontiagudos, nobreza de carácter, mas os olhos. É nos olhos do toiro que nós vemos a sua ingenuidade. Uma criança perdida no meio da multidão.

    O animal sorve a vida de forma natural. Passa anos a comer ervinhas, a ver pores-do-sol, a esfocinhar amorosamente com outros animais. Vive a vida em liberdade, em campos abertos de luz, por onde pode correr, parar, dormitar, ficar só a ver. Ficar só a viver. Recebe arco-íris com uma chuvinha que lhe molha a língua e as dentolas, afasta borboletas e mosquitos com um espirro, ressona e acorda os pássaros da árvore onde está encostado. O animal não reflecte sobre o mundo, mas vive-o. Sobretudo, sente-o. Os elementos da natureza são-lhe prazenteiros. É-lhe natural ir beberricar aquela água, comer este molhe de ervas, cagar ou mijar onde lhe apetecer. O céu é-lhe natural, as nuvens e o Sol, os caminhos de terra, as plantas, os passarinhos. Aquela brisa que vem em Agosto com cheiro a cereais. Ele levanta a cabeça, fecha os olhos e sente-a. Não pensa sobre ela, mas sabe-a.

    De repente, uma arena! Um cubículo de areia com milhares de pessoas e vozes e urros! De repente, o horror. Chamam-no, assustam-no, dão-lhe palmadas na cabeça, espetam-lhe ferros frios no lombo. Encosta-se às tábuas, sente a madeira, procura um caminho para voltar para o campo. Está cercado. Cornetas, luzes, gritos. Rios de sangue escorrem-lhe pelo corpo. O peso das bandarilhas coloridas enquanto corre. Não entende aquilo, não sabe o porquê. Cansado, ofegante, em pânico, investe contra o carrossel de homens e cavalos que o rodeiam.



    Baixa a cabeça, com as patas tenta furar o chão como se pudesse abrir um alçapão que o fizesse cair da arena para um prado onde corresse e lambuzasse as bochechas de outro toiro. Um campo aberto a céu aberto. Sem cornetas, sem pessoas, sem gritos, sem bandarilhas coloridas, sem bigodes quase aristocráticos, sem ferros frios no lombo, sem rios de sangue pelo corpo, sem maldade. O último sonho do toiro antes de morrer .

    sexta-feira, 14 de julho de 2017

    I Santo California -Torneró - Traduzido

    O Silêncio dos Lobos


    Pense em alguém poderoso.
    Essa pessoa briga e grita como uma galinha ou olha em calmo silêncio, como um lobo?
    Os lobos não gritam.
    Eles têm uma aura de força e poder. Observam em silêncio.
    Somente os poderosos, sejam lobos, homens ou mulheres, respondem a um ataque verbal com o silêncio.
    Além disso, quem evita dizer tudo o que tem vontade, raramente se arrepende por magoar alguém com palavras ásperas e impensadas.
    Exactamente por isso, o primeiro e mais óbvio sinal de poder sobre si mesmo é o silêncio em momentos críticos.
    Se você está em silêncio, olhando para o problema, mostra que está pensando, sem tempo para debates fúteis.
    Se for uma discussão que já deixou o terreno da razão, quem silencia e continua a trabalhar mostra que já venceu, mesmo quando o outro lado insiste em gritar a sua derrota.
    Olhe… sorria… silencie… vá em frente.


    Lembre-se de que há momentos de falar e há momentos de silenciar.
    Escolha qual desses momentos é o correto, mesmo que tenha que se esforçar para isso.
    Por alguma razão, provavelmente cultural, somos treinados para a (falsa) ideia de que somos obrigados a responder a todas as perguntas e reagir a todos os ataques.
    Não é verdade. Você responde somente ao que quer responder e reage somente ao que quer reagir.
    Você nem mesmo é obrigado a atender seu telefone pessoal.
    Falar é uma escolha, não uma exigência, por mais que assim o pareça.
    Você pode escolher o silêncio.
    Além disso, você não terá que se arrepender por coisas ditas em momentos impensados, como defendeu Xenócrates, mais de trezentos anos antes de Cristo, ao afirmar:
    “Arrependo-me de coisas que disse, mas jamais de meu silêncio.”


    Responda com o silêncio, quando for necessário.
    Use sorrisos, não sorrisos sarcásticos, mas reais, use o olhar, use um abraço ou use qualquer outra coisa para não ter que responder em alguns momentos.
    Você verá que o silêncio pode ser a mais poderosa das respostas.
    E, no momento certo, a mais compreensiva e real delas.

    Escrito por Aldo Novak

    Beth Hart & Joe Bonamassa - Don´t Explain



    "Hush now, don't explain
    You're my joy and pain
    I'm glad you're back
    Don't explain

    Quiet, don't explain
    I'm missed with some dame
    Skip that lipstick
    Don't explain

    You know that I love you
    And what love endures
    Nothing rates above you
    And I'm so completely yours

    Cry to hear folks chatter
    And I know you cheat
    Right and wrong don't matter
    When you're with me, sweet

    Hush now, don't explain
    You're my joy and pain
    I'm glad you're back
    Don't explain

    You know that I love you
    And when love endures
    All my thoughts are of you
    When I'm so completely yours

    Cry to hear folks chatter
    And I know you cheat
    Right and wrong don't matter
    When you're with me, sweet

    Hush now, don't explain
    You're my joy and pain
    My life's yours, love
    Don't explain, don't explain"


    quinta-feira, 13 de julho de 2017


    O arquitecto Manuel Salgado, vereador da CML, com o pelouro do Urbanismo, autorizou a demolição do quartel de bombeiros mais moderno de Lisboa, que fica paredes meias com o Hospital da Luz (BES), pois este pretende expandir a sua área de construção...

    Agora aqui vai o melhor, que são meras coincidências:

    1º. O arquitecto Manuel Salgado é autor do projecto de expansão do Hospital da Luz!

    2º. O arquitecto Manuel Salgado é primo direito do Ricardo Espírito Santo Salgado!

    Este país é realmente uma pequena aldeia, não acham?!


    Esta notícia necessita de alguma explicação da sua história:


    1) O Hospital da Luz necessitava de terreno para expansão e com todo o direito, pelo valor que acrescenta à cidade, só podendo isto ser feito, para onde estava o quartel de bombeiros.

    2) A opinião da estrutura dos bombeiros era de que aquele quartel era necessário. (Está tudo na Internet).

    3) O óbvio seria o Hospital da Luz pagar a construção de um outro quartel naquela zona e trocá-lo pelo terreno que necessitava.

    4) A CML necessitava de dinheiro.

    5) O Arq. Manuel Salgado conseguiu a opinião de outra estrutura dos bombeiros em que era dito não ser necessário aquele quartel.

    6) A CML fez um leilão do terreno onde estava o quartel em causa e o único licitante, é claro, foi o Hospital da Luz.

    7) O Hospital da Luz contratou o escritório do filho do Arq. Salgado, que também é arquitecto, (o Arq. Salgado deixou de ser sócio quando entrou para a CML), para fazer o aumento do edifício principal.

    8) Aprendam como se fazem as coisas nas câmaras municipais, porque assim ficaram todos contentes..., menos os bombeiros.

    . . . porque me apeteces


    Eu amo a Natureza e as coisas que vou conquistando , ao longo desta minha caminhada .
    Amo o meu Cantinho , o quintal , os jardins , os gatos , os cães , a moto , a bicicleta . . .
    Também amo os meus amigos , familiares (aqueles que gostam de mim , claro !) .
    Amo o Sol , a Lua , as estrelas , o dia , a noite , o vento , a chuva . . .
    Amo aquele que considero "o meu mundinho" . . . todas as minhas coisas estão lá .

    Paixão é outra coisa . . . arrebata-me , transporta-me no espaço e no tempo , desassossega-me , desconjunta-me . . .
    Posso apaixonar-me por alguma coisa ou alguém , mesmo sem o seu conhecimento ou , sequer , permissão . . .
    Visitando uma Galeria de Arte , posso perfeitamente "apaixonar-me por uma obra" , mesmo que não tenha dinheiro para a adquirir . . . continuando , no entanto , a "amar as minhas coisitas" , por mais modestas e simples , que sejam .

    Claro que acontecem paixões ( serão antes ilusões !?) fugazes , que se esfumam , com o tempo , com maior ou menor grau de dificuldade , acabando por serem substituíveis ou compensáveis . . . mas outras acontecem , que são para sempre .
    Serão coisas do coração e não dos sentidos . . . eu acho !

    Apenas posso amar aquilo ou aquele que me está próximo , visível e , por outro lado , consigo apaixonar-me por alguma coisa ou alguém , mesmo que me seja , de todo , inacessível .
    Estou convicto de que o amor é coisa dos sentidos , não dependendo apenas de mim , enquanto as paixões . . . são coisas do . . . coração . . .

    Sei , por experiência própria , que também se pode amar de paixão .
    Eu amo-te de paixão .
    És a minha Utopia !
    . . . para que serve a Utopia !? Para continuar "caminhando" , acreditando sempre , que é possível alcançar . . .

    e sim . . . sei que sou louco .

    Alexandre

    quarta-feira, 12 de julho de 2017


    Alimentação saudável : comer sem pesticidas !


    JOÃO MIGUEL DE FREITAS - MÉDICO

    14 ABR 2017 / 02:00 H.

    Estou a escrever-vos este artigo com um autêntico “nó” na garganta. Ainda que, tal como a maioria das pessoas, tenha contactado com informação relativa à produção massificada de alimentos, quer de origem animal, quer vegetal, neste passado fim de semana, pude realizar um módulo de formação subordinado à contaminação dos nossos alimentos, que me deixou ainda mais preocupado.

    Quais são os alimentos que apresentam os maiores índices de pesticidas? O que fazer para consumir mantimentos com confiança e tranquilidade?

    De uma forma comum, somos “bombardeados” com a importância do consumo de alface, tomate, pepino, maçã, peixe, frango... alimentos de que, de uma forma geral, gostamos. Mas o pior é que são esses os alimentos que, geralmente, contêm as doses residuais mais elevadas de pesticidas, como DDT, capazes de agir sobre o nosso sistema endócrino e imune, ou seja, substâncias que podem alterar o nosso normal funcionamento.

    Este cocktail químico influencia-nos através de uma redução da fertilidade, de um aumento de alguns tipos de tumores, do aparecimento de diabetes mellitus e da obesidade. Estes componentes, infelizmente, estão também presentes em outros produtos que utilizamos diariamente, tais como: fármacos, cosméticos, embalagens, recipientes de plástico e até revestimentos de latas.

    A questão não é, de todo, simples! Por um lado, necessitamos de alimentos para uma população em crescendo, mas, por outro lado, é fundamental garantir que os mesmos alimentos são submetidos a controlos mais ou menos severos para garantir a saúde do consumidor. Ainda não se conhece bem os efeitos no nosso organismo de todas estas substâncias utilizadas para evitar o ataque de pragas e insetos e para melhorar a aparência e a durabilidade do que consumimos. Sabemos, sim, que os alimentos em que foram encontrados mais resíduos de pesticidas são: alface, tomate, pepinos, maçãs, pêssegos, pimentos, morangos, peixe criado em viveiros e animais submetidos a alimentação à base de ração (contendo restos animais, hormonas de crescimento e antibióticos). Os menos contaminados são: banana, cenoura, ervilhas, legumes e hortaliças protegidos por uma casca mais grossa, peixe capturado “selvagem” e animais criados sem suplementação alimentar.

    No dia-a-dia, e como consequência da crise económica que estamos a atravessar, sabemos que uma parte significativa da população consome de forma insuficiente frutas, verduras e legumes. Se a este aspeto associarmos alguns componentes tóxicos, esta situação sofre um claro agravamento que se vai refletir num aumento do número de casos de tumores, malformações congénitas, patologias endócrinas, neurológicas e mentais.

    O ideal para a saúde pública seria evitar ou reduzir ao máximo o consumo dos pesticidas nos cultivos e na alimentação em geral, mas é preciso ser realista: compete a cada um de nós a missão de eliminar parte do risco. Alguns aspetos fundamentais passam por lavar os produtos antes do seu consumo, por exemplo, no caso dos morangos e tomate, como o tóxico utilizado é de superfície, temos de lavar bem a parte externa do alimento com água para eliminar o risco. Para outros alimentos em que o produto penetra e afeta o seu interior, o aquecimento pode inativar os efeitos adversos dos pesticidas, excetuando o zinco e o estanho, já que, nestes casos, o aquecimento não elimina o perigo.

    Deixo 6 sugestões amigas para a sua mesa:

    1. Comprar, sempre que possível, alimentos frescos provenientes da agricultura orgânica onde não são utilizados pesticidas ou fertilizantes químicos. Por exemplo, procurar conhecer os produtores que não utilizam estes componentes;

    2. Lavar cuidadosamente as frutas e verduras com água e bicarbonato de sódio: não serve para remover completamente todos os pesticidas, porém ajuda na remoção de grande parte;

    3. Tirar a casca aos alimentos antes de consumi-los – os pesticidas têm maior concentração na porção externa;

    4. Comprar, de preferência, peixe “selvagem”;

    5. Aderir, com outras pessoas, a grupos de compra de produtos biológicos, tais como: frango, carne de vaca, porco, ovos, frutas e legumes. A associação estimulará o aparecimento de mais produtores deste modelo de produção;

    6. Sempre que possível, cultive alguma coisa, mantenha pequenas hortas no jardim, no quintal ou em zonas urbanas. Os resultados serão modestos, mas o tempo dedicado ao cultivo, para além de poder ser um ponto zero em tecnologias, feito apenas de convívio familiar, poderá possibilitar-lhe a produção de hortaliças e legumes com nenhum traço de pesticida, em condições controladas por si.

    Proteja a sua saúde, não a envenene!


    O presidente Lula é inocente. Por mais de três anos, Lula tem sido objeto de uma investigação politicamente motivada. Nenhuma evidência crível de culpa foi produzida, enquanto provas esmagadoras de sua inocência são descaradamente ignoradas. Este julgamento politicamente motivado ataca o Estado de Direito do Brasil, a democracia e os direitos humanos básicos de Lula. É uma grande preocupação para o povo brasileiro e para a comunidade internacional.

    O juiz Moro deixou seu viés e sua motivação política claros desde o início até o fim deste processo. Seu julgamento envergonhou o Brasil ao ignorar evidências esmagadoras de inocência e sucumbir a um viés político, ao mesmo tempo em que dirige violações contínuas dos direitos humanos básicos e do processo legal. O julgamento prova o que argumentamos o tempo todo - que o juiz Moro e a equipe do Ministério Público na Lava Jato foram conduzidos pela política e não pela lei.

    O presidente Lula tem sido vítima do lawfare, o uso da lei para fins políticos, famoso método foi usado com efeitos brutais em diversas ditaduras ao longo da história. Este julgamento politicamente e tendencioso mostra bem como os recursos judiciais do presidente Lula foram esgotados internamente e por que foi necessário encaminhar este caso para o Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas em Genebra.

    Ninguém está acima da lei, mas ninguém está abaixo da lei. O presidente Lula sempre cooperou plenamente com a investigação, deixando claro para o juiz Moro que o local para resolver disputas políticas são as urnas, não as cortes de justiça. A investigação teve um impacto enorme na família de Lula, sem deixar de mencionar sua esposa Marisa Letícia, que morreu tragicamente este ano.

    O processo foi um enorme desperdício do dinheiro dos contribuintes e envergonhou o Brasil internacionalmente. É tempo agora para reconstruir a confiança nas leis brasileiras e o juiz Moro deveria se afastar de todas suas funções.

    Nós provaremos a inocência de Lula em todas as cortes não tendenciosas, incluindo as Nações Unidas.

    Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins, advogados do ex-presidente Lula.

    Morrissey - Everyday Is Like Sunday

    Everyday Is Like Sunday
    Trudging slowly over wet sand
    Back to the bench
    Where your clothes were stolen
    This is the coastal town
    That they forgot to close down
    Armageddon - come Armageddon!
    Come, Armageddon! Come!

    Everyday is like Sunday
    Everyday is silent and grey

    Hide on the promenade
    Etch a postcard
    "How I Dearly Wish I Was Not Here"
    In the seaside town
    ...that they forgot to bomb
    Come! Come! Come - nuclear bomb!

    Everyday is like Sunday
    Everyday is silent and grey

    Trudging back over pebbles and sand
    And a strange dust lands on your hands
    (And on your face...
    On your face ...
    On your face ...
    On your face ...)

    Everyday is like Sunday
    "Win Yourself A Cheap Tray"
    Share some greased tea with me
    Everyday is silent and grey

    https://www.youtube.com/watch?v=d0LeL9BUPtA

    terça-feira, 11 de julho de 2017

    O NOSSO MUNDO - Florbela Espanca



    Eu bebo a Vida, a Vida, a longos tragos
    Como um divino vinho de Falerno!
    Poisando em ti o meu amor eterno
    Como poisam as folhas sobre os lagos...


    Os meus sonhos agora são mais vagos...
    O teu olhar em mim, hoje, é mais terno...
    E a Vida já não é o rubro inferno
    Todo fantasmas tristes e pressagos!

    A vida, meu Amor, quer vivê-la!
    Na mesma taça erguida em tuas mãos,
    Bocas unidas hemos de bebê-la!

    Que importa o mundo e as ilusões defuntas?...
    Que importa o mundo e seus orgulhos vãos?...
    O mundo, Amor?... As nossas bocas juntas!...

    art"fabian perez"

    Ghost (O Espírito do Amor)Tradução HD



    Oh,Meu amor,Minha querida
    Eu tenho Ansiado por teu toque
    Há um longo e solitário tempo
    O tempo passa Tão devagar
    E o tempo pode fazer tanto
    Tu ainda és minha?
    Eu Preciso do teu amor
    Que Deus traga Rápido o teu amor para mim
    Rios Solitários Correm
    Para o Mar,para o Mar
    Para os Braços abertos ao Mar
    Yeah
    Rios Solitários Suspiram
    _Espera por mim_,Espera por mim
    Eu vou voltar para casa
    Oh,Meu amor,Minha querida
    Eu tenho Ansiado por teu toque
    Há um longo e solitário tempo
    O tempo passa Tão devagar
    E o tempo pode fazer tanto
    Tu ainda és minha?
    Eu Preciso do teu amor
    Que Deus traga Rápido o teu amor para mim

    Ghost (O Espírito do Amor)Tradução HD

    segunda-feira, 10 de julho de 2017

    VANGELIS - Conquest of Paradise (HQ Sound, HD 1080p) Lexi's

    Nosso amor esfumou-se. Para além da curva do tempo. Como deserto feito de mar. Chega mais perto de mim, amor. Preciso de te falar de nós. Dos barcos que naufragam nas minhas lágrimas. Contar-te das velas que morrem deitadas no meu sal. Os teus lábios são água, a minha boca é sede. Mas tu estás longe e eu sedento. Sou espera e muita saudade. Procuro-te. Há uma mágoa que arde, arde, arde. Atrás dos montes, das cinzas. Quando as nossas mãos se enlaçavam eram livros e vinho. Beijos e desejo. Os teus olhos eram horizontes luminosos. Neles mergulhava sem sufocar. Espreitava a tua claridade sem cegar. Queria viver em ti. Ser o teu sonho mais puro. Agora, amor, sinto tanto os frios. E morrem-me as palavras no escuro da insónia. Chega mais perto de mim, amor.


    Quando "partem teu coração"
    em pedacinhos tão pequenos
    que nem sabes
    por onde começas a colar.
    Vem a vida e te ensina
    que podes fazer um tal "mosaico",
    cujas emendas viram enfeite
    e ele pode bem "bonitinho" ficar.
    Mesmo que digam que "bonitinho"
    é o feio melhorado, disfarçado de belo...
    Não há como negar... "Mosaico de Coração"
    não passa de cacos de dor
    que a esperança teima em juntar.
    CikaParolin


    quinta-feira, 6 de julho de 2017

    NÃO VÁS EMBORA



    Posso tudo perder

    Além do que já perdi.
    Mas a ti não,
    ... Que és tudo para mim!


    Mendigo com prazer
    Apenas para te ter,
    Que outra coisa não quero
    Além de ti.

    Tanto te quero que falta
    Não sinto do que não tenho.
    Tu me bastas em muito, em tudo!

    Porque sem ti, as rosas murcham,
    As flores caem, o Inverno chega,
    O mundo acaba para mim.
    Sinto um frio inconsolável...
    Preciso de ti!

    Fernando Figueirinhas


    quarta-feira, 5 de julho de 2017

    Pink Floyd - Wish You Were Here

    GARY MOORE - One Day

    Poema dos Amigos


    Pintor: Eugene de Blaas

    Não posso dar-te soluções
    Para todos os problemas da vida,
    Nem tenho resposta
    Para tuas dúvidas ou temores,
    Mas posso ouvir-te
    E compartilhar contigo.

    Não posso mudar
    O teu passado nem o teu futuro.
    Mas quando necessitares de mim
    Estarei junto a ti.

    Não posso evitar que tropeces,
    Somente posso oferecer-te a minha mão
    Para que te sustentes e não caias.

    As tuas alegrias
    Os teus triunfos e os teus êxitos
    Não são os meus,
    Mas desfruto sinceramente
    Quando te vejo feliz.

    Não julgo as decisões
    Que tenhas na vida,
    Limito-me a apoiar-te,
    A estimular-te
    E a ajudar-te, sem que me peças.

    Não posso traçar-te limites
    Dentro dos quais deves actuar.
    Mas sim, oferecer-te o espaço
    Necessário para cresceres.

    Não posso evitar o teu sofrimento
    Quando alguma mágoa
    Te parte o coração,
    Mas posso chorar contigo
    E recolher os pedaços
    Para armá-los novamente.

    Não posso decidir quem foste
    Nem quem deverás ser,
    Somente posso
    Amar-te como és
    E ser teu amigo.

    Todos os dias, penso
    Nos meus amigos e amigas,
    Não estás acima,
    Nem abaixo, nem no meio,
    Não encabeças
    Nem concluis a lista.
    Não és o número um
    Nem o número final.

    E tão pouco tenho
    A pretenção de ser
    O primeiro
    O segundo
    Ou o terceiro
    Da tua lista.
    Basta que me queiras como amigo.

    Dormir feliz.
    Emanar vibrações de amor.
    Saber que estamos aqui de passagem.,
    Melhorar as relações.
    Aproveitar as oportunidades.
    Escutar o coração.
    Acreditar na vida.

    Obrigado, por seres meu amigo.

    José Luís Borges.
    http://youtu.be/MuhzV1Up4ys

    segunda-feira, 3 de julho de 2017


    Isto está bonito . . . está ! Continuem a votar na corja . . .

    . . . é claro que Forças Armadas "armadas" poderiam ser um perigo para toda esta canalha que nos vem (des)governando . . .


    AOFA - Associação de Oficiais das Forças Armadas

    Coronel António Feijó - "DEIXEMO-NOS DE FANTASIAS"

    O que aconteceu com o paiol de Tancos foi realizado por quem sabe e tem capacidade para o fazer, não olhando a meios, incluindo, muito provavelmente, a eliminação de quem, eventualmente, se lhes opusesse. Poder-se-á aventar a hipótese que, se por acaso, a ronda militar apanhasse em flagrante este grupo, muito provavelmente seria neutralizada ou até eliminada. E sabem porquê? É que as sentinelas nos nossos quartéis andam sem carregadores municiados nas armas e apenas dispõem de um outro, nas cartucheiras, com poucos cartuchos e lacrado. Em resumo: NÃO PODEM DEFENDER AS INSTALAÇÕES QUE LHES SÃO CONFIADAS, MESMO QUE O QUEIRAM: retirar o carregador vazio, deslacrar o que levam na cartucheira, colocá-lo na arma e disparar é uma impossibilidade, porque antes - já foram desta para melhor.
    E isto a que é devido? A uma directiva política que proíbe os militares de defenderem o que é da sua responsabilidade. Não têm cobertura legal e, por conseguinte, há uma ausência de regras de empenhamento conformes que lhes dêem a capacidade de serem oportunos no cumprimento da a sua missão com eficiência e eficácia. Assim, actualmente, se uma sentinela, no exercício da sua missão, disparar a sua arma em defesa do pessoal, das instalações ou do material que lhe estão confiados, uma coisa é certa: está metido numa encrencada que pode resultar na sua prisão e pagar grossa indemnização ao(s) "coitado(s)" de um ou mais assaltantes.
    Continuando: o Exército está a cumprir com grande dificuldade as suas missões - que lhes são cometidas pelo poder político -como deve ser - à custa de enormes sacrifícios dos seus militares - que os fazem devido ao seu inexcedível profissionalismo, ao espírito do Dever e, principalmente, ao seu amor à Pátria.
    Este Ramo das FFAA está a trabalhar aquém dos mínimos em pessoal. Segundo consta, tem menos de uma dezena de milhar de homens nos quadros orgânicos aprovados. Mesmo assim, não regateia esforços e, exemplo disso, é a sua presença na Colômbia, no Mali, no Afeganistão, Iraque e em outras partes do Mundo. Por cá, encontramo-lo nos treinos operacionais para render os seus militares nos Teatro de Operações onde estão empenhados, apoiar as populações desprotegidas e a combater incêndios com grande eficiência e descrição.
    A descredibilização da Defesa e a Segurança do País tem sido uma constante dos agentes políticos que têm exercido o poder, sejam de que partido forem. Olham para a estrutura do Estado, como uma sua quinta para colocarem os seus boys na manjedoura do orçamento. E se dúvidas houver, basta olhar para a Protecção Civil e SIRESP. Choram lágrimas de crocodilo. Já é tempo de dizer BASTA!

    . . . num mundo de valores , não compro nem vendo . . . apenas troco . . .



    Você pode controlar a diabetes, melhorar o fígado e tratar problemas nos rins de uma maneira muito simples.

    Infelizmente, na maioria das vezes, as pessoas desconhecem os tratamentos naturais e gastam com remédios caros e com composição química nociva.

    Neste post, você vai aprender um remédio caseiro com três maravilhosas sementes: alpiste, amêndoas e abóbora/jerimum.

    No entanto, basta um pouco de conhecimento para saber que alpiste é uma das sementes mais milagrosas do mundo.

    Experiências realizadas com pacientes voluntários mostraram que o alpiste pode combater várias doenças, graças à capacidade de gerar enzimas e proteínas para o corpo humano.

    O melhor de tudo é que o alpiste é um perfeito anti-inflamatório para órgãos, como fígado, rins e pâncreas.

    Além disso, ele pode curar doenças hepáticas, limpar o aparelho urinário e eliminar o excesso de líquido que se acumula no corpo.

    Quer mais?

    O alpiste é tão poderoso que normaliza a pressão arterial e cura gastrite e úlceras.

    Ah, estamos falando do alpiste que também serve de alimento para aves, OK?

    Agora aprenda a receita:




    INGREDIENTES


    1 litro de água mineral

    40g de amêndoas descascadas

    5 colheres (sopa) de alpiste

    50g de sementes de abóbora

    MODO DE PREPARO

    Coloque num recipiente o alpiste, as amêndoas e as sementes jerimum de molho na água.

    Feito isso, coe e leve as sementes para bater no liquidificador com 1 litro de água mineral ou filtrada.

    Em seguida, passe a mistura numa peneira grossa.

    Pronto!

    A bebida já pode ser consumida.

    Coloque na geladeira e vá consumindo durante o dia.

    Crying In The Rain A-ha (TRADUÇÃO) HD (Lyrics Video)

    domingo, 2 de julho de 2017

    . . . claro que não julgo , né ?!

    Heaven - tradução

    Nicki Parrott - I Will Wait For You

    If it takes forever I will wait for you
    For a thousand summers I will wait for you
    Till you're back beside me, till I'm holding you
    Till I hear you sigh here in my arms

    Anywhere you wander, anywhere you go
    Every day remember how I love you so
    In your heart believe what in my heart I know
    That forevermore I'll wait for you

    The clock will tick away the hours one by one
    And then the time will come when all the waiting's done
    The time when you return and find me here and run
    Straight to my waiting arms

    If it takes forever I will wait for you
    For a thousand summers I will wait for you
    Till you're here beside me, till I'm touching you
    And forevermore sharing our love

    Till you're here beside me, till I'm touching you
    And forevermore I will wait for you

    Fabrizio Paterlini - Conversation With Myself

    sábado, 1 de julho de 2017


    "Quero um amor que leia a pele. Que mergulhe pelos olhos e cause arrepios na Alma. Que faça canções aos meus ouvidos, que colheu nas notas da Música das Esferas. E quando me olhar eu sinta o sabor das manhãs ensolaradas. Que ao ouvir a sua voz, seja como se pisasse nas estrelas. Que o seu abraço tenha o aconchego das noites enluaradas. E que seu coração soe no compasso do som do meu coração. E quando em seus braços sentir que neste abraço é o melhor lugar do mundo para estar."

    ~ Rosiana Ni Carvalho


    sexta-feira, 30 de junho de 2017

    Bachman Turner Overdrive - You ain't seen nothing yet 1974


    Changes - Black Sabbath (72)


    Pedro Chagas Freitas

    O mais curioso nos amores impossíveis é que por vezes acontecem.

    Escolheu, depois de muito ponderar, a saia azul, bem justa, para levar ao momento mais importante da sua vida. Maquilhou-se com o cuidado de quem prepara uma bomba atómica, cada fio no seu lugar, escolheu as botas de cano alto para se sentir mais protegida, como se a pele tapada a protegesse do mundo, olhou-se a medo ao espelho no final, e esboçou o sorriso possível, os lábios trémulos e um aperto nos olhos, a ansiedade inteira a governar o corpo.

    «Perdoa-me», frente ao espelho ele ensaiava o que tinha para dizer, «perdoa-me por algum dia ter acreditado que havia vida sem que houvesses tu», com ar confiante, seguro de si, «quero-te para sempre e tenho a certeza de que vai saber a pouco», e saiu para a rua, o fato impecável, os sapatos impecáveis, o amor impecável, a realidade, só ela, manchada de um erro que queria agora corrigir.

    Encontraram-se no café de outrora, a mesa vazia como se os esperasse. Ele chegou primeiro, as palavras ensaiadas bem decoradas na sua cabeça, os gestos, até os gestos, pensados até ao mais último pormenor. Até que ela chegou, os passos como se pisassem pessoas, a saia azul justa e os homens todos a olhar. Ele disse o que tinha para dizer, ela ouviu o que tinha para ouvir. Quiseram os dois abraçar-se logo ali, antes que o mundo acabasse. Mas nenhum assumiu o risco. Ele esperou que ela dissesse «sim, perdoo-te», ela esperou que ele dissesse «desculpa mas vou abraçar-te toda mesmo que contra a tua vontade». E o tempo certo para o momento certo perdeu-se.

    Em casa, ela despiu a saia azul, descalçou as botas de cano alto e cedeu, o corpo pousado na cama como se de repente sem sangue. Ele ainda ficou no café alguns minutos, apenas a despedir-se do que não fora capaz de fazer, antes de lentamente voltar para o quarto vazio, o cheiro dela e as roupas dela, se fosse um homem corajoso teria tido a cobardia de desistir da vida.

    Casaram-se e foram quase felizes para sempre. Não um com o outro, claro. Ela encontrou um homem perfeito e ele encontrou uma mulher perfeita. Foram andando e, com o tempo, foram desaprendendo a maneira como um dia correram, o que um dia os fazia correr e saltar – mas nunca andar. Vieram os filhos, novos desafios, as rugas, os netos, a pele a ceder e o tempo todo a fazer-se de episódios cada vez mais raros de paixão.

    Haveriam de morrer distantes, tão distantes quanto a geografia o permitia, até o tamanho insuportável de um mar a separá-los. Certo é que, estranhamente, as lápides de ambos continham o mesmo erro, uma gralha imperdoável», segundo os respectivos marido e mulher: a data do falecimento apontava para há mais de trinta anos, nunca ninguém conseguiu entender porquê. A inscrição, essa, imediatamente abaixo da data, é que não tinha qualquer falha.

    «Não é parar que é morrer; é ir andando.»

    quinta-feira, 29 de junho de 2017

    Tangos e Tragédias - Aquarela da Sbórnia



    Nós nascemos na Sbørnia! (BAH!)
    Nós nascemos na Sbørnia! (BAH!)
    A Sbørnia era grudada ao continente por um istmo...(istmo!)
    Após sucessivas explosões nucleares... mal sucedidas
    Ai, ai, ai, ai...
    A Sbørnia se desgrudou!
    A Sbørnia se desgrudou! (do continente)
    E hoje é uma ilha navegando pelos mares do mundo, mares do mundo, mares do mundo, mares do mundo!

    Nós nascemos na Sbørnia! (BAH!)
    Todos sabem que a Sbørnia é conhecida
    internacionalmente, internacionalmente, internacionalmente!
    Por ter uma grande lixeira, onde todo mundo deposita o lixo cultural,
    o que não serve mais para nada, o que já saiu de moda...

    Nós nascemos na Sbørnia! (BAH!)
    O sistema político da Sbørnia é o Anarquistmo Hiberbólico!
    Em época de grande indecisão o povo se reúne em uma praça pública
    e fica naquele clima de indecisão, aquela coisa de indecisão...
    Até que nasce uma flor,
    maravilhosa flor, tão bonita flor...

    Nós nascemos na Sbørnia! (BAH!)

    Bolo de café


    Ingredientes

    8 ovos
    2 chávenas de chá de açúcar
    2 chávenas de farinha de trigo
    1 colher de sopa de fermento
    1 colher de café de baunilha
    1 chávena de café forte (chávena = à da farinha)

    Batem-se muito bem as gemas com o açúcar , até obter um creme leve e esbranquiçado
    Juntam-se os ingredientes secos peneirados , alternadamente com o café , batendo bem , depois de juntar cada porção .
    Por fim , deita-se a baunilha e as claras em castelo .

    Envolve-se sem bater .

    Coze-se em forno médio , numa forma redonda sem buraco .
    Depois de cozido e frio , recheia-se e cobre-se com :
    2 pacotes de natas batidas em chantilly com nescafé e salpica-se com amêndoa torrada

    Pink Floyd - Wish You Were Here (1977-07-02) 24/96 legendado

    Pink Floyd - Comfortably Numb (1980) legendado

    terça-feira, 27 de junho de 2017

    The War On Drugs - "Thinking Of A Place" [Official Audio]

    It was back in Little Bend that I saw you 
    Light was changing on the water 
    Where birds above had flown 
    There was pain in your eyes 
    So you vanished in the night 
    Missouri River in the distance 
    So I lied upon the lawn
     
    I remember walking against the darkness of the beach 
    Love is like a ghost in the distance, ever-reached 
    Travel through the night because there is no fear 
    Alone but right behind until I watched you disappear 

    [Chorus] 
    I'm moving through the dark 
    Of a long black night 
    Just moving with the moon 
    And the light it shines 
    And I'm thinking of a place 
    And it feels so very real 
    Just moving through the dark 

    Once I had a dream 
    I was falling from the sky 
    Coming down like running water 
    Passing by myself alight In the morning, 
    I would wake to the sound of summer falls 
    Like little whispers through the signs
     
    [Chorus] 
    I'm moving through the dark 
    Of a long black night 
    And I'm looking at the moon 
    And the light it shines 
    But I'm thinking of a place 
    And it feels so very real 
    Oh, it was so full of love!
     
    Come and take my hand, babe 
    There's a turn in the road that we've been taking 
    Let it set you free 
    Because there's a rhythm in the way that we've been moving 
    Yeah, there's a darkness over there, but we ain't going
     
    See it through through my eyes 
    Walk me to the water 
    Hold my hand and something turns to me 
    Love me every night 
    Drown me in the water 
    Hold my hand and there's something turning me 
    See it through my eyes 
    Love me like no other 
    And hold my hand and something turns to me 
    And turns me into you
     
    Lead me through the light 
    Pull me from the water 
    Hold my hand and something turns to me 
    Turns me into you 
    Just see it through my eyes 
    Love me like no other 
    Hold my hand and something turns to me 
    Turns me into you 
    Turn to me 
    Into you.

    domingo, 25 de junho de 2017

    Tom Waits - I Want You

    I Want You,

    "I want you, you, you
    All I want is you, you, you
    All I want is you
    Give you the stars above, Sun on the brightest day
    Give you all my love, if you would only say
    I want you, you, you
    All I want is you, you, you
    All I want is you"

    sexta-feira, 23 de junho de 2017

    BOMBEIRO RESPONDE A AGNES ARABELA EM TEXTO EMOTIVO



    Agnes Arabela, ex-concorrente de um reality show esteve envolvida numa grande polémica, depois de ter dito que os bombeiros “coçam os colh**s 9 meses por ano e trabalham 3”.

    Muitas foram as mensagens de indignação, mas existe um texto emotivo de um bombeiro ganhou especial destaque:

    “Começo esta publicação por lembrar á Agnes que vivemos em democracia, e que em 1974 se deu uma coisa em Portugal que nos permitiu o direito e liberdade de expressão, possivelmente ela não saberá o que foi isso, pois sendo Romena possivelmente nem estava a residir em Portugal ainda nessa altura.

    Depois quero relembra-la que ela está em Portugal, vive em Portugal e é em Portugal que tem o seu vencimento para viver!! Não deve cuspir no prato onde comeu, pois a fome volta e ela pode não ter mais prato depois.E é do País que a acolheu que ela fala mal daqueles que dão a vida pela vida de outro!!

    O direito de expressão NÃO TE DÁ o direito de faltares ao respeito a ninguém, porque o respeito é uma coisa que vem do Berço, e quem quer Respeito tem de se dar ao respeito, simples lei de cidadania!!

    Não Jovem!!!

    Nenhum de nós, Bombeiros Portugueses, precisámos de um reality show para ficarmos conhecidos, até pelo contrário, gostamos de permanecer desconhecidos!!
    E então tendo em conta o meu caso, deixa-me que te coloque umas questões, de forma bem simples e prática, para que tu possas perceber dado o teu Q.I.:

    – Tu sabes o que é acordar a meio da noite com o coração a bater-te na garganta do sobressalto de ouvires uma sirene a tocar?!

    – Sabes o que é saíres de casa sem saberes para onde vais, nem quando voltas ou até mesmo se voltas?

    – Sabes o que é teres filhos que não sabem o que é ir à praia com os pais, porque no verão os pais passam mais tempo a combater incêndios do que com eles?

    – Sabes o que sente uma mãe, um pai, uma esposa ou um marido, quando nos vêem sair a correr pela porta fora, ou nos dizem adeus junto do quartel, como se fosse o último, enquanto a viatura desvanece no fundo da rua?!

    – Sabes o que é saíres de casa e deixares os teus filhos a chorar e a pedir que não vás porque teem medo que seja a última vez que te vêem?

    – Sabes qual é a sensação de levar um camarada irmão á última morada, prestar-lhe a última honra e continência, enquanto a sirene chora o adeus a par contigo?

    – Sabes qual é a sensação de saberes que alguém faleceu porque tu, mesmo fazendo tudo o que te era possível, não conseguiste salvar a vida?

    – Sabes o que é acordares sobressaltado de noite, com pesadelos de uma ocorrência ou de um susto que quase te tirou a vida se transforma em pesadelo todas as noites?

    Esses bombeiros que os coçam como tu dizes, passam horas e horas, dias e dias, no combate aos incêndios, sem saber dizer que não. Muitas vezes comem a primeira alimentação a sério ao fim de 12/15h de combate. E sabes o que comem?! Sopa de pais com filhos, sabes o que é?! Não!! Tu é que és a celebridade…

    Não sabes o que é estares a saborear a primeira refeição ao fim de muitas horas e teres de largar o prato, sem saberes quando voltas a comer, para ires depressa para uma frente que apareceu, ou um reacendimento que se deu!!

    Não!! Tu é que és a celebridade…

    Sabes o que é beberes água verde, puxada manualmente dum poço, com um garrafão que encontraste largado, porque a sede e o desgaste físico assim te obrigam para continuares a combater esses tais monstros que dizes que nos vão matar da forma mais ironica e estúpida na tua publicação?!

    Não, não sabes!! Tu é que és a celebridade…

    Mas garanto-te, nunca na minha vida bebi água tão fresca quanto aquela…

    E no final pergunto-te eu, o que é que tu sabes?!

    Diz-me, o que fazes tu por Portugal, para criticares quem dá a vida por ele?!

    Diz-me, quantas vidas ja salvaste tu para acusares os bombeiros pelas vidas que eles não conseguem salvar?!

    Diz-me…

    Em que é que tu és melhor, ou mais do que eu para isso te dar o direito de te dirigires a QUEM REALMENTE FAZ ALGO PELO PAÍS (ao contrário de ti), e os humilhares, rebaixares, desceres ao ponto que desceste, possivelmente só para que a polémica faça lembrar o País que tu existes?!

    DIZ-ME, QUEM ÉS TU PARA FALARES DOS BOMBEIROS PORTUGUESES?!…

    Em que é que o País te pode agradecer a TI?!

    Anda, diz-me!!!

    Não te bastou a publicação que fizeste, largando cá para fora toda a tua verborreia mental, num dia em que os Bombeiros Portugueses choravam a partida de um dos seus irmãos, agora ainda vens armada em Virgem Ofendida para a comunicação social?!

    Quem diz o que quer, ouve o que não quer!!! Simples…

    Porque a tua liberdade acaba quando começa a minha!!!

    Porque eu, não sou celebridade, nunca apareci em Reality Show nenhum para ficar conhecido, eu não sou ninguém!!!

    Sou um Bombeiro actualmente emigrado do país, que saiu daí dedicando 17 anos de serviço á população portuguesa!!

    Eu jurei dar a minha vida pelo meu país, e tu que fizeste pelo país?!

    Diz-me…

    Agnes, as vezes mais vale estares calada e todos pensarem que és idiota, do que abrires a boca e prova-lo!!

    E sabes porquê?

    Porque o estrume da tua ignorância não chega para cultivar os campos férteis da inteligência dos Bombeiros Portugueses!!!”

    Texto: Marco Francisco